lições de inverno

quintal de açucar
quintal de açúcar

Um dos meus principais desafios nessa vida norte-americana é enfrentar o rigoroso inverno de Nárnia*. Essa noite, por exemplo, os termômetros já marcam -19˚C e a previsão é de que essa temperatura caia ainda mais. Dentro de casa, tudo lindo. O sistema de aquecimento é excelente, uma vez que as casas são construídas tendo como uma de suas prioridades um bom isolamento térmico; necessário não só pra manter residentes aquecidos, mas, também, para evitar altas contas de gás (necessário para o sistema de aquecimento). Informações técnicas à parte, o ponto é que é mesmo muito difícil passar por praticamente 6 meses de frio intenso. Mais difícil ainda quando se tem uma criança… porque, entendam, o problema não é a criança passar frio, o problema sou eu – totalmente desinformada dos costumes – colocar roupa demais na criança e fazer com que ele comece transpirar loucamente no meio da neve. O aprendizado nessa situação é constante e nada melhor do que ter bons amigos e vizinhos pra ajudar.

Esse ano entro em meu quarto inverno. E o que no início era um verdadeiro calvário agora já me traz muitos sorrisos. No fundo, o aprendizado torna os meses de inverno mais divertidos e muito mais interessantes. Somos como crianças que estão aprendendo a andar. É preciso descobrir as tradições do frio. Aprender os esportes. Retirar o sapato cada vez que você chega na casa de alguém (para não deixar a casa toda suja com a neve que veio na sola e vai derreter). Estocar comida, principalmente quando se vive mais isolado dos grandes centros (porque se vem uma nevasca é melhor ficar em casa por alguns dias a dirigir no meio de tanto gelo). Não se importar com o estado estético do carro e dar prioridade para veículos com tração nas quatro rodas. A gente aprende que, a não ser que você fique do lado de fora por muito tempo, mesmo com as temperaturas congelantes não é preciso muita roupa. Aprendemos, ainda, que uma boa bota de inverno não é a mais bonita, mas sim aquela que mantem seus pés aquecidos, secos e ainda evita escorregões; descobrimos o poder fashion de chapéus, toucas, boinas, luvas e lenços. Também aprendemos retirar neve com a pá (por sinal, um ótimo exercício pra queimar calorias), passar snowblower (máquina que “assopra” a neve do caminho) nos arredores da residência; e a deixar um cobertor e um scraper (ferramente pra limpar gelo e neve dos parabrisas) no portamalas do carro. E na minha lista particular desse ano estou descobrindo as “delícias” de paramentar uma criança para brincar na neve… tente colocar uma luva em uma pessoa de um ano e meio e depois me conte sobre experiência.

clássico “cherry ChapStick”

Ah… e o grande must have das temperaturas baixas: ChapStick. Esse bastãozinho, muito similar a um baton, faz milagres pra sua boca. Qualquer farmácia, supermercado, lojinha de aeroporto, gift shop, banca de revista, enfim.. qualquer lugar vende. São baratinhos e ajudam demais. São unisex. Vai no bolso, na bolsa, na carteira, onde couber e estiver ao alcance das mãos. Vale a pena. Por isso, se alguém vai passar uma temporada nessas bandas, trate de adquirir o seu antes de colocar o nariz pra fora.

E embora o inverno nessa parte do hemisfério norte seja muito rigoroso, ele deixa pra quem vive aqui e, principalmente, para àqueles que vem de fora, uma grande e importante lição: a de que a natureza é sábia e por isso deve ser apreciada. Mais bacana que ver as crianças em guerras de bola de neve num snowday (quando as aulas são canceladas, para evitar que os onibus escolares trafeguem com estudantes no asfalto escorregadio); é ver a vida voltando pós hibernação, ver as árvores que pareciam mortas florirem novamente. Legal ver como qualquer motivo é desculpa pra se estar outside.  Essa é a terra do picnic, das gincanas, de parques, de camping, do Zé Colméia. Se o inverno americano é muito do que vemos na Tela Quente de Natal, a primavera e o verão são exatemente os filmes da Sessão da Tarde durante as férias de julho.

*Nárnia – costumo referir à região onde moro como Nárnia, da série “As Crônicas de Nárnia”.

Essa região, Northern NY,  especialmente durante o inverno, me lembra algumas cenas do filme 🙂

Escrito por

... sou a eSTRANGERa. Dona de Casa. Motoqueira. Curiosa. Fiz o caminho inverso e gostei. Tempero a vida com uma pitada de romantismo. Sometimes I fly!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s