Precisamos falar sobre dinheiro

Você sabia que, de acordo com IBGE, as mulheres no Brasil recebem cerca de 33% a menos que os homens? Os motivos para que essa diferença exista são inúmeros, o que torna difícil (muito difícil) uma conversa sobre o tema sem causar polêmica, e pessoas alteradas na platéia. 

Disparidade salarial entre homens e mulheres ainda é tabu. Porque parte desses motivos são sim causados por opções das próprias mulheres – por exemplo, nós mulheres temos certa tendência em optar por profissões de menor rentabilidade – por exemplo, as proporções de gênero em uma sala de aula de um curso de Comunicação e um de Engenharia. Mas do outro lado da balança está um sistema social que sempre privilegiou os homens, dando a eles mais oportunidades profissionais e menos responsabilidades no lar. E antes que os primeiros fervorosos da platéia se levantem, vamos combinar de não entrar no assunto dinheiro doméstico, ok?! 

IMG_6564
Rizzo durante a AAUW-NYS Conferência, em April de 2018

Recentemente eu conheci a história de uma Matemática Americana chamada Aileen Rizzo (photo), que descobriu em uma “conversa de corredor” que seu colega de trabalho – recém contratado e com menos experiência e formação que ela – já recebia $13 mil a mais, por ano.

 

Em princípio, a Aileen não quis acreditar e chegou a confrontar seus superiores para saber mais informações. Na época, com duas filhas pequenas, uma terceira a caminho, e sendo a principal fonte de renda da família, ela ficou em dúvida sobre o que fazer.

Mas, segundo ela mesma conta, foi justamente por suas filhas, que a Aileen encarou uma briga com o Departamento de Educação do Condado de Fresno, na California, e em April de 2018, quase 7 anos depois, saiu vencedora.

Clique aqui para saber mais sobre a história da Aileen. (em inglês)

De volta ao tema, quero te perguntar uma coisa:

Você fala sobre salário com seus colegas de trabalho?  

Você sabe quanto eles ganham?

Tenho a impressão de que se você está lendo esse post, é porque já andou fuçando no eSTRANGERa. E se isso aconteceu, nos identificamos. E se nos identificamos, talvez você já tenha ouvido essa frase em algum momento da sua vida:

“Não é educado falar sobre dinheiro”. 

Ouvir a história da Aileen me fez confrontar minha própria história, e minha relação com “a conversa sobre dinheiro”. Eu tenho essa hipótese de que grande parte de nós mulheres, vivas e ativas na sociedade, pertencemos a uma geração que aprendeu, talvez ainda na barriga de nossas mães, que “não devemos falar sobre dinheiro”. 

Não devemos, por quê? Quem foi que falou isso? Por que não é educado perguntar sobre dinheiro, estabelecer nossos limites, e o valor de nosso trabalho? Por que não perguntar?

Daí que se hoje, ainda, brigamos por oportunidades iguais, é porque, entre outras coisas,  já passou da hora de colocar a questão do pagamento, do salário, do rendimento, do valor da sua hora, na mesa. Em cartas claras e limpas. Temos que falar sobre dinheiro. 

Mais que isso, temos que ensinar as mulheres a falar sobre dinheiro, sem medo e sem culpa. Temos que quebrar o tabu. É preciso entender que ainda estamos presas a um condicionamento cultural que não tem espaço em uma sociedade, na qual mais de 40% dos lares é chefiado por mulheres.

Se ainda existe uma tremenda diferença salarial entre homens e mulheres no Brasil, falar sobre dinheiro no ambiente de trabalho – assim como já falamos sobre o final de semana ou o preço da carne no supermercado – talvez seja um dos passos a caminho da igualdade.

 

Badass é a palavra do mês

Gosto da palavra em inglês “Badass”. Tanto que escolhi pra ser a minha palavra do mês aqui no eSTRANGERa. Essa nem é uma palavra assim,  como diríamos, “polida”. É quase que um palavrão, diga-se a verdade. E é exatamente essa característica rebelde o que mais me atrai em Badass. Gosto, especialmente, como adjetivo para descrever mulheres determinadas, independentes, bem resolvidas, destemidas, arretadas, poderosas, etc etc. 

Badass é um daqueles palavrões inocentes. Ass, em inglês, é gíria para bunda (ou anus). E Bad… sabemos que significa mau/mal. Outra graça dessa palavra. E eu nem vou me aprofundar na participação da “bunda” nas discussões sociais, culturais, e economicas do mundo, porque essa não é a função deste texto. 

Daí que como as coisas nessa vida são interligadas, me dei conta que muitas das mulheres que cruzaram meu caminho nos últimos meses, e muitas das que são parte da minha “rodinha” preenchem a descrição de Badass no dicionário. 

Inspirador! Sim Senhor!!! 

Eu, por exemplo, me sinto super Badass quando estou com a minha moto. E só mesmo essa palavra pra descrever. Juro que não encontro outra! Até porque, mesmo já pilotando há mais de 6 anos, ainda me é surreal o fato de eu ter uma “minha moto”. 

IMG_0116
conheça o Brammoto.net

Pra além de minha recém descoberta paixão pelo estilo de vida biker, pilotar me dá um senso de equilíbrio, de liberdade, de pertença. É no “barulhento silêncio” dentro do meu capacete que eu medito e resolvo meus problemas.

 

Também espero inspirar outras mulheres que só precisam de um empurrão pra começar na pilotagem.

Badass e feminista: uma coisa puxa a outra.

Recentemente as meninas do M.E.U., que é um grupo prol formação de Lideranças Femininas no ambiente Universitário, compartilharam em nosso grupo do WhatApp um artigo no qual a Presidenta do Banco Santander, Ana Patricia Botín, afirma que há 10 anos ela teria dito que não é feminista, mas que hoje sua resposta é outra (CLICA AQUI pra ler a matéria no El Pais Brasil).

Isso porque passamos a dar mais atenção às questões de gênero e, consequentemente, começamos investigar, perguntar, e falar sobre o que nos incomoda.

Feminismo deixou de ser uma palavra com cheiro de sutiã queimado, e virou sinonimo de humanismo. Sim, porque quando a gente luta por melhores condições e oportunidades iguais para as mulheres, estamos lutando por um mundo mais justo e melhor para todos.

Assim como a Ana Patrícia, eu também não me assumia feminista no passado, muito por minha completa ignorância sobre o assunto, até então. Já aqui na gringa, até como forma de colocar meu nome no mercado, passei a me envolver com trabalhos voluntários e busquei programas/grupos/ongs que focassem em Educação. Assim acabei me envolvendo com a AAUW. Foi então que “sai do armário” (com sutiã e maquiagem).

Penso que é importante entender que Feminismo não é ideologia. Feminismo nada mais é que fazer a diferença, enquanto buscamos igualdade e justiça. Não é preciso grandes atos (tipo fogueira de sutiã). A gente pode começar “fazer a diferença” dentro de casa, pela forma como falamos com nossos filhos, os alimentos que escolhemos, e como nos relacionamos com nossos parceiros. Feminismo é viver em comunidade: cooperando, colaborando, compartilhando.

IMG_6625
Essa aqui é a jovem estudante Aasha Shaik, membro da UN Girls. Tive a oportunidade de ver sua apresentação sobre “Vulnerabilidade e o Poder das Meninas”. Essa moça encarou uma sala lotada de pessoas bem mais experientes e deixou todo mundo pronto pra uma batalha.

Before I go

 

Uma boa fonte de informação e conteúdo empoderador e focado na mulher é a Ong Brasileira Think Olgafundada pela Jornalista e Ativista Juliana de Faria. Vale muito a pena conferir porque informação é poder.