O despertar da Primavera

Eu me apaixonei por essa região do mundo ainda adolescente, em 1995.

Antes de viajar, pela primeira vez, do interior de São Paulo para o interior de Nova York, as informações que consegui eram referências bibliográficas e um Atlas Mundi (deveras desatualizado). Não tinha Google ou Wikipidia, ou msn., sms, .com. Telefone celular não era um item popular. E fotografia… só vinha depois de revelarmos o filme, geralmente de 24 ou 36 poses* (checa a reflexão no pé desse post).

Eis que, já por aqui, descubro uma pérola da natureza. Um lugar deslumbrante, simples, doce, e que muda de cor conforme os meses se passam: branco, marrom, verde, amarelo, azul, pink, lavanda, laranja, vermelho, vinho, branco, preto. Mas… afora minha narrativa, nos anos 90 não tinha muito mais como mostrar o que estava dizendo.

É por isso que quero compartilhar um pouco 
da beleza dessa região conhecida como
the Thousand Islands .

Quem sabe consigo, com minhas imagens, explicar melhor o quanto esse lugar é lindo.

Como farei isso?

Com um documentário fotográfico. Que tal?

Uma vez por mês, o eSTRANGERa vai publicar uma coletânea de fotografias e algumas dicas e links que ressaltam a beleza natural e o modo de vida Folk dos moradores daqui (eu inclusive). Fecho a série em Abril de 2019. Assim passaremos por Primavera, Verão, Outono, e Inverno.

A ideia é mostrar um pouco desse EUA que tão pouca gente conhece, justamente por não ser parte da rota turística convencional. Essa é uma região encantadora e mágica. Cercada por lagos, mistérios, e um rio que conecta o Oceano Atlântico ao interior da costa Leste Americana e Canadense. Aqui já foi palco de histórias de piratas (os mesmos do Caribe), de soldados, de fantasmas, e de grandes amores (qualquer hora pesquisa a sobre o Boldt Castle, na Heart Island).

Os posts fotográficos desta série estarão sempre 
sob #1000Islands.

Para abrir a Primavera e dar um gostinho do que será esse documentário, quero compartilhar alguns registros de nossa primeira caminhada no Public Deck de Alex Bay, NY.  The Bay, como chamamos esse vilarejo, é uma dessas cidades turísticas que praticamente morrem fora da temporada – tipo cidade fantasma – mas, no verão, esse lugar é o fervo .

Eu, que já bebi a água do Jaguari, agora me jogo nos braços do Saint Lawrence. Esse leito azul, que conecta os Grandes Lagos ao Oceano Atlantico.

Momento Reflexão

–  sendo eu, um ser humano que cresceu e se formou entre os anos 80 e 90, obviamente digo que os anos 90 foram os melhores pra ser adolescente e entrar na vida adulta.

Mas os avanços dos anos 2000 em diante não ficam fora do radar. Vamos combinar que a arte fotográfica ganhou muito. Graças as maravilhas da Fotografia Digital e Móvel registrar e compartilhar o mundo via fotos tornou-se mais acessível e possível pra uma grande parcela de talentos que, até então, não teriam uma oportunidade – única e exclusivamente por razões financeiras. Comprar filmes e revelar fotografias, não eram dos produtos e serviços mais baratos. A fotografia digital pode sim ter tirado muita gente do negócio fotográfico, mas, em contrapartida, foi e continua sendo responsável por incluir talentos na cena fotografia e, assim, ser um dos mais efetivos instrumentos para a promoção da diversidade.

Fica de olho nas galerias do #1000islands.

Até 😉

Faça um canto verde

Em Nárnia o frio dura uma eternidade. Sério 😮. Hoje, por exemplo, dia 17 de abril de 2018, enfrentamos neve, ventania, gelo, e céu cinza. O Inverno aqui é a estação mais longa. Rabugento que é, rouba do Outono e da Primavera um pouco mais de tempo. E contra esse fato não tem pensamento positivo que ajude uma alma tropical se animar.

Mas… temos plantas. E plantas e pensamento positivo andam assim… lado a lado. Colocar plantas pela casa e cuidar delas, por exemplo, são uma forma boa de espantar os “blues” do inverno.

Todo esse preambulo só porque eu quero te mostrar esse cantinho em casa:

IMG_6409

Esse Canto que era feio e apagado, e que me pedia – d.e.s.e.s.p.e.r.a.d.a.m.e.n.t.e – uma planta. Sim, o Canto queria uma planta. E eu queria dar uma planta pra ele.

O problema é que pobrezinho do Canto fica no cantinho mais apagado da casa. Não tem janela, ou qualquer luz natural que favoreça. Ou seja, nem a suculenta mais resiliente do planeta sobreviveria ali.

Dizem que querer é poder né. 😉  Então…  Coloquei a mente pra trabalhar e o coração para ouvir. Fucei em Pinterest, Instagram, e revistinhas de decoração. Fui passear nas lojas de construção e DIY por aqui. Aí descobri um “tesourinho” aqui, outro “tesourinho” ali.  E.. “voilá” 💃🏼…

O Canto ganhou um jardim.

IMG_6414
.. e com espaço para expansão.

O truque foi colocar uma luminária com lâmpada de LED específica para o crescimento das plantas – em inglês chama “grow light”. Também acertamos um timer para monitorar o tempo de luz para as plantas, 10 horas por dia.

O projeto ficou super em conta e deu vida nova pro Canto e pra casa.

IMG_6412
essa fotinho vai pro #desafiopbn do Ig da @_aninhapalombo – http://www.palombina.com.br  Acho que faltou algo na minha mão (☕️), fiquei ali camuflada na parede, mas as plantinhas estão lindas né! 

Logo a Primavera, finalmente, encontrará seu caminho aqui pra Nárnia. Daí o clima firma, dias longos e quentes. As plantinhas  ganham casa de verão, para ficarem mais no sol de verdade.

Até lá, eu vou curtindo o Canto, as vezes com uma xícara de café; outras com a camera do telefone.

😉 Até a próxima!

 

Socorro! Voltei da folga

Para. Respira.

Quantas vezes eu deixei que esse over load de afazeres pós férias me ancorasse. E não que eu esteja livre de acontecer novamente, a diferença de agora é que mudei a forma como olho para a situação e criei uma estratégia que funciona para meu #lifestyle.

Explico

Como optei por ser o que aqui nos EUA chamam de “home maker” (fazedora de lar), em minha família sou eu a responsável pela administração e cuidados com a casa; recentemente também passei a cuidar de meu negócio criativo e pessoal, ao mesmo tempo que invisto em aprendizado e atualização profissional.

Para dar conta de tudo, tive que montar uma estratégia dividindo os dias uteis da semana. Eu conto nesse video rapidinho, gravado diretamente da lavanderia de casa.

 

Isso de deixar um dia da semana para os afazeres domésticos e as “saídas”, tipo a ida ao supermercado, me ajudou muito a organizar a semana e, assim, focar no intelectual quando estou no módulo “escritório”.

Mas aí ainda tem aquele dia de ir ao médico, dentista, reunião, etc. Como faço?

Uso a flexibilidade que esse modelo me permite. Eu tento agendar o máximo de compromissos externos em um dia só. Se tenho uma janela grande entre eles, vou para um café ou para a biblioteca local. Normalmente, esses estabelecimentos me oferecem silencio, um sofá ou um cantinho numa mesa com outras pessoas, e energia criativa. Na Biblioteca é de graça. No café, que é um estabelecimento comercial, custa – adivinha? – um café.

Ferramentas que me ajudam

Sou tipo “freak” de organização. É assim com meu guarda-roupa, minha caixa de maquiagem, a geladeira, e, claro, minha agenda. Também gosto de escrever, por isso tento ter a mão papel e caneta. SEMPRE.

Me cerco dessas coisinhas. Então imagina se não ADORO uma papelaria 🙄

Recentemente visitei uma por aqui, e cai de amores por algumas peças da linha de home office da Martha Stweart. Minhas favoritas: uma mochila preta, básica, que é praticamente um escritório portátil; e um calendário “dry eraser” que coloco na parede com as atividades do mês.  Por que gostei tanto? – praticidade, e porque os produtos são clean, de qualidade, sem branding excessivo.

Ahhh.. também virei fã da Create 665 The Happy Planner, que tem TUDO para quem adora planejar. Com os produtos deles, fica fácil usar a imaginação e criar um planner do jeito que funciona pra gente.

 

E você? Conta como é a sua experiência. O que funciona no seu dia-a-dia? O que te ajuda organizar a vida em casa e no trabalho?  Deixe seu depoimento, comentário, pergunta. Vamos manter essa conversa rolando. #trabalharemcasa

Até a próxima!