0

Fogueira

Fogo aproxima. Fogo acalma.

Fogo destrói.

Fogo esquenta. Fogo alimenta.

Pra você, minha amiga de sorriso largo e de tiradas rápidas,

amiga de uma vida, dedico o fogo de uma noite perdida em Junho de 2016.

O fogo que nos levou de volta ao passado, que nos deixou apreciar o presente,

e nos fez olhar para o futuro.

 

Com amor,

0

O dia que meu filho nasceu

Era uma quarta-feira de cinzas, há cinco anos. Já era noite quando fomos pro hospital, tinha acabado de sair do banho e senti que estava “vazando”. Era hora. Mais cedo, naquela mesma semana, passei uma noite no hospital por conta do “vazamento” de liquido amniótico. Parecia que estava chegando a hora e era só esperar pelas contrações que não vieram. O médico me mandou pra casa. “Em casa você vai andar e fazer atividades que estimularão o bebê”, ele disse.

Mas, naquela quarta-feira foi diferente. O dia tinha chegado. Demos entrada no hospital às 20h20. Nada de contração. Fomos para o quarto de parto (delivery room). Me vesti e fui aparamentada com os devidos monitores. Um pro coração do bebê, um pro meu. Meu marido e uma enfermeira estavam presentes. A família foi avisada. Então veio a primeira pontada. Aiiii… “ok, acho que estou tendo contrações”.

O Obstetra chegou. Checou os monitores, falou com a enfermeira, falou com meu marido. Ele tinha uma expressão preocupada. Saiu do quarto, porque ainda iria demorar. De repente, água, a bolsa estourou.  Minha pressão estava subindo descontroladamente. Algo chamado pré-eclampsia. Durante toda a gravidez tudo correu bem, pressão normal, peso normal, mas foi no dia do nascimento que algo fora do comum aconteceu.

O médico voltou. Me medicou. Confesso que eu não me lembro muito bem desses momentos. Estava numa nuvem de dor, misturada com calor e frio, medo, apreensão… tudo ao mesmo tempo. Queria meu marido perto. Dai queria ele longe. E as contrações vindo .. Aiii  … Então chegaram minha sogra e minha sobrinha, que vieram ficar conosco no quarto, e minha cunhada, que ficou do lado de fora porque o limite de gente pra assistir o parto era três pessoas. Todo mundo no quarto: eu, o pai, a enfermeira, a avó, e a prima. Uma festa…  enquanto o médico passeava pelos corredores.

Por conta da pressão alterada, já estavam cogitando minha transferência para o centro cirúrgico, mas a pressão foi controlada a tempo e a anestesista pode vir. Tomei uma anestesia Epidural, que bloqueia a dor das contrapões, mas deixa que a gente sinta o que esta acontecendo (em alguns casos pode acontecer um “espaço fantasma”, e claro eu tive um na virilha, então sabia exatamente quando as contrações estavam vindo).

Já estava com a dilatação correta para começar “fazer força”, mas nada do médico voltar pra sala. “Esse doutor costuma sumir sem avisar. As vezes, nós é que terminamos os partos”, disse a enfermeira… Oi? Felizmente, ele estava só checando outros quartos.

199369_194912723874256_5152333_n

um pouco depois de segurá-lo pela primeira vez.

Então, o médico se paramentou, se colocou a postos pra pegar o menininho que vinha. Minha sobrinha acariciando meu cabelo. Meu marido segurando uma perna, minha sogra a outra, o médico na posição de goleiro, e a enfermeira monitorando os aparelhos. Isso! Essas eram as pessoas no quarto, no parto. Essas foram as pessoas que testemunharam o dia que meu filho nasceu, 10 de março, 1h20 da manhã.

Ele saiu da barriga e foi colocado no meu peito, amassado e melecado. Meu marido estava anestesiado, não quis cortar o cordão. Então a vovô cortou. Choramos, rimos. Por um momento, esqueci meu inglês. Eu tinha que dar as boas vindas na minha lingua mãe. Depois de algum tempo ele foi levado pra ser limpo, pesado, medido, e todos os outros procedimentos para os recém-nascidos. E, enquanto o médico cuidava de consertar a porta de saída do bebe, eu estava no telefone, ligando em plena madrugada para meus irmãos e meus pais. Eu ainda comi uns nuggets do McDonalds logo depois, porque estava morrendo de fome e essa era a única opção de comida aberta naquela hora da noite (não.. não tinha comida do hospital).

O médico que estava lá não era o mesmo que acompanhou minha gestação, porque meu médico estava viajando de férias. Meu filho nasceu dezesseis dias antes do previsto, pesando 6.10 libras (equivalente a aproximadamente 2.8 quilos) e 21 inches (equivalente a  aproximadamente 53 cm). Para os americanos essas medidas são super pequenas. Não tinha pediatra na sala. Os testes foram realizados no berçário, pra onde ele foi levado por um tempo enquanto éramos transferidos da sala de parto para um quarto na maternidade. Depois disso, ele não saiu mais de perto da gente (bom, na verdade teve um tempinho que ele voltou pro berçário pra um procedimento, mas vou contar em outro post).

Eu planejei amamentar meu filho. Mas meu leite secou após um mês e meio do nascimento dele e, na época, eu não pensei em chamar uma consultora pra me dar uma ajuda. Nós planejamos não dar chupeta. Mas na quarta noite sem dormir resolvemos dar uma chance pra chupeta e adivinhem… dormimos melhor (porque dormir de verdade é algo que não existe na vida de pais de recém nascido)

No dia que meu filho nasceu aprendi não planejar muito o que não diz respeito apenas ao meu indivíduo. Eu entendi o quanto somos fortes e o quanto podemos tolerar a dor. No dia que meu filho nasceu eu nasci mãe.

Acho importante dizer aqui – pra quem se interessa pelo que penso – que em nenhum momento da minha gestação disse que preferia parto normal ou parto cesárea. Seria a preferência do meu bebê. O que fosse mais conveniente pra ele. 

Aqui nos EUA o padrão é parto normal – a mãe pode escolher se quer ou não anestesia (eu quis) – mas nada de ter cesárea marcada. Eu sabia que seria assim, a não ser que o meu filho estivesse fora da posição ou houvesse alguma complicação, só assim as gestantes são encaminhadas pra uma c-section

Pessoalmente, penso que  essa rincha entre parto normal vs. cesárea uma chatice. Não dou razão nem pra um nem pra outro. Não acho que os radicais pró parto natural estejam certos, e também não concordo com os médicos que forçam ou que tentam convencer a gestante sobre marcar uma cesárea. Também não sou expert nesse assunto, além do fato de ter gerado, gestado e parido uma criança. O fato é que quando chega a hora da criança nascer, ela vai nascer e pronto. De algum jeito ela precisa sair da barriga da mãe. Então que seja da melhor forma para o BEBE. 

E convenhamos né gente. Gerar uma criança não é como caminhar pela praia num dia fresco de verão. Muita coisa muda. Nossos hormônios ficam malucos. Isso e mais toda a expectativa, ansiedade, ajustes na vida, afff… é muita coisa envolvida pra ficarmos numa guerrinha estúpida sobre quem tem as melhores políticas maternais. E incluo ai a batalha amamentação vs. mamadeira, chupeta vs. não chupeta, fralda descartável vs. fralda de tecido, etcs.  

Só a título de curiosidade: recentemente uma amiga (logo contarei a história aqui no blog) deu a luz dentro do carro, a caminho do hospital. Seu filho não quis esperar. Outra quis muito um parto normal, mas não pode, seu filho estava atravessado. Outra passou 26 horas com dores e contrações esperando a dilatação suficiente e, no final, após ter dado a luz, teve de lidar com uma imensa perda de sangue e agora, duas filhas depois, sofre de anemia. Todas elas são excelentes mães, cuidam de seus filhos com amor e dedicação, da forma como melhor funciona em suas famílias. E isso é o que realmente importa! 

Pra me despedir desse post, que é muito especial pra mim por vários motivos (entre eles o fato de que me julgo muito quando começo falar sobre maternidade) vou deixar um vídeo lindo que encontrei no YouTube. É de uma campanha da #Similac, que é uma companhia de fórmula (leita em pó). Independente disso, o vídeo é honesto, legítimo, e toca o coração. #endmommywars

E você, quer compartilhar sua história também? Deixe seu comentário abaixo.

Até 😉

0

Nestes muitos fevereiros…

… entendi que a paixão é fogo que arde a pele, que cega,

e desnorteia o pensamento.

Entendi que é preciso deixar o tempo falar, curar as feridas. Amadurecer.

Compreendi que amor não se “acha” na esquina, mas é como uma planta e deve ser cultivado a partir de sua semente.

Como adubo muito respeito. Gratidão para crescer.

Ao meu amor serei honesta. Porque trair esse sentimento seria o mesmo que trair a mim mesma. E àqueles a quem dedico meu amor: minha amizade, minha cumplicidade, meu respeito.

Assim como um dia escreveu o poeta:

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinicius de Moraes – “Soneto da Fidelidade”

1

2015

Penso nos olhares. Quantos olhares lindos tive a oportunidade de apreciar no ano de 2015. Olhares de encantamento, desses cheios de brilho. Olhar de criança quando vê algo que toca a alma pela primeira vez. Olhares que criam memórias, com cheiro e brisa.

Lembra de quando tomou chuva pela primeira vez? A dúvida de quem não sabe muito bem porque a água está caindo do céu, mas e daí… o legal é poder molhar a roupa sem culpa. Então! Em 2015 eu vi duas moças, lindas, vivenciarem neve e frio pela primeira vez. Vi como o encantamento anestesia os sentidos, faz com que a gente se esqueça do frio só pra sentir um floco de neve na ponta da lingua ou, melhor, rolar nessa “areia” branca.

Também acompanhei um novo casal, passeando em Lua-de-Mel, estruturando seus sonhos e o futuro juntos. Testemunhei o encantamento no olhar de quem navega pelas águas do St. Lawrence pela primeira vez. A água azul no leito do Rio, que divide Estados Unidos e Canadá nessa parte dos países, ornamentada por lindas casas, ilhas como pequenas vilas, embarcações de todo porte dividindo espaço; homem e natureza vivendo em harmonia e respeito. Uma realidade, infelizmente, ainda distante daquela a qual nos acostumamos em nossa terra natal.

Em 2015, eu ouvi. Ouvi meu passarinho cantar em português conversas inteiras. Conectar com seus pares. Eu ouvi o choro de um bebê sendo batizado, e também o de uma mãe com saudade, e ainda o choro suado da conquista. Quase no final do ano, minha amiga deu a luz no banco da frente do carro, a caminho da maternidade.

O sabor de 2015 foi intenso. Das grandes sensações culinárias finalmente dominei uma receita de pão de queijo, de bolo de cenoura com aquela cobertura de chocolate e açúcar, e escondidinho de camarão (hüh… quem diria hein). Eu e o Barret acabamos elegendo o Bella’s, em Clayton NY, como o nosso escape de verão – cada um com uma caneca do lobster bisquê e meio sanduíche de crabcake BLT. E só pra encerrar, ainda descubro essa super “boutique” de azeites, também em Clayton NY, chamada The 1000 Islands Cruet.

O tempo em 2015 foi bem dos malucos. Extremos nos hemisférios. Em um calor infernal e no outro frio polar. Sim passei frio em 2015. Pra falar a verdade, passei um frio inimaginável. Fevereiro inteiro abaixo de zero. Traumatizei.

Ainda xeretando na memória, vejo que em 2015 aprendi a me olhar e me aceitar melhor, com minhas neuras, mania de limpeza, amor incondicional aos meus meninos, vontade de escrever mais do que eu escrevi (vide este blog abandonado),  etc. Aos poucos vou decifrando minhas amarras. Em 2015 teve nova tatuagem, carteira de motocicleta e um violão.

Mas a saudade, essa ainda pega. E ainda assim parece existir só pra me ensinar que sua presença é sinal de felicidade, de momentos que valeram e de pessoas que são meus tesouros.

Saudade é o pulo do coração quando permitimos nossa memória trazer a tona os bons sentimentos. 

Que em 2016 nada mude, especialmente esse processo de descobertas. Que apareçam novas sensações pra registrar na memória, mais visitas pra dividir uma xícara de café ou uma noite na fogueira, mais vento no rosto, mergulho no rio, pelo menos uma música inteira no violão e, quem sabe, mais textos.

Até 😉