0

Mãe que trabalha

Antes de começar, deixa eu dizer uma coisa: toda e qualquer mãe TRABALHA. Algumas trabalham fora de casa, outras trabalham em casa, algumas tem um retorno financeiro por seu trabalho profissional, outras nem tanto. Tem, ainda, uma certa porcentagem de mães que costumam dizer que “não trabalham”. Mas a verdade é: se é mãe, trabalha.

A gente pode nem se dar conta, porque a história nos fez acreditar que cuidar de filho é obrigação (embora, sejamos francos, se você resolveu ter um filho tem sim a missão de cuidar dele, mas a obrigação é tanto da mãe quanto do pai. Igual). E, ainda, temos a casa, a cozinha, as roupas, o supermercado, o que fazer para o jantar, a agenda da família, leva e busca aqui e ali… aff.. só de pensar já dá canseira.

Enfim, fiz esse preambulo todo pra me ajudar a trocar uma idéia com você e, de certa forma, expor um pouco minha angústia sobre ser uma mãe que optou em parar o trabalho (com retorno financeiro) e se dedicar às necessidades da família, temporariamente. Tudo com o apoio, incondicional, do meu marido (quando mudei de país, sabíamos que por um tempo teria de ficar sem trabalhar até que minha documentação estivesse regularizada, e depois quando engravidei decidimos que era mais vantajoso financeiramente que um de nós ficasse em casa. Eu fui a escolhida, uma vez que o mercado farmacêutico paga melhor que o de comunicação).

E daí? (você deve estar pensando)

Daí que recentemente eu voltei ao mercado de trabalho, escrevendo e fazendo pequenos freelas* diretamente do meu home office (…phina). Mas, ao mesmo tempo que estou borbulhando de idéias e de vontade de colocar tudo em pratica, também me deparo com uma dura realidade: é difícil trabalhar de casa.

Eu sei que tem gente que tira isso de letra, e acredito que eu serei uma dessas pessoas. Mas ainda não. Não enquanto tenho uma criança em casa em período integral. Enquanto preciso alimentar e cuidar, ensinar como escovar o dente, como limpar o bumbum, ajudar na lição da escolhinha, e brincar.

Por mais que entenda e aceite essa fase (essa foi minha escolha), é muito difícil admitir que ainda não tenho o tempo necessário pra me dedicar aos projetos profissionais. Me pego sonhando com o dia em que meu pequeno irá pra escola em período integral e eu terei horas de atividades sem interrupção. Não posso dizer que sinto vontade de ir pro escritório (essa vontade eu perdi há alguns anos), mas tenho uma invejinha branca de quem consegue deixar os afazeres domésticos e maternais para cuidar da carreira.

Por favor, se você é uma dessa pessoas, não entenda o que estou dizendo como critica. Adoraria poder conciliar tudo. Poder ter condição de balancear minha família e minha carreira. Mas tenho percebido que essa não sou eu. Não sei balancear. Ou sou uma ou sou outra. Se estou maternando, não consigo focar no profissional. E, o que é pior, se estou no profissional, não consigo maternar. É como se entrasse em mundos diferentes.

e Você aí, mais uma vez se perguntando: mas e daí?

Daí que nessas minhas explorações “internéticas”, nunca vejo alguém que fale sobre esse assunto abertamente. Alguém que – por livre e espontânea vontade – deixou seu “eu profissional” de lado, sem querer abrir mão dele por completo. Alguém que tenta um home office enquanto as crianças brincam na sala de estar, mas que percebeu que não adianta o desenho mais legal, o brinquedo mais moderno, ou a gangue toda reunida… os afazeres, a casa, os filhos, o cachorro, o marido, etc precisarão de você em algum momento.

Nunca leio sobre alguém que é feliz com suas escolhas, mas que vez ou outra tem uma pontinha de tristeza por não conseguir colocar em prática as idéias que pipocam na sua cabeça, ou mesmo terminar o capítulo de um livro (detesto parar capítulo no meio). Alguém que, assim como eu, ainda tem de fazer escolhas e se sente mal quando percebe que não tem três horas por dia pra se dedicar – ininterruptamente – a um projeto. Me questiono o tempo todo e acredito não estar sozinha.

Dou risada. Acho que as vezes de nervoso mesmo. Me perco em mim mesma. Olho pro computador com peso na consciência. As vezes, me irrito com os meninos. Depois tudo passa. Decido que não vou fazer mais, que falta tão pouco e posso esperar. Mas aí, alguém responde meu email, uma oportunidade nova surge, quero ouvir o clique do teclado…. e lá vou eu tentar mais um pouco. Assim vivo numa bola de neve.

E aqui eu me dispo. Tiro todo o “carão” e abro o jogo, a procura de alguém que passe pelas mesmas situações. E aí?

 

Até 😉

Gabi Hoover©

*Freela é o jeito simpático e popular de reduzir Free Lancer. Nada mais é que o profissional que trabalha por um pagamento fechado, sem vínculos empregatícios com seu contratante. 

0

Home office

As vezes tudo que eu queria é que minha fantasia de um “home office” se transformasse em realidade. Porque a realidade é assim: bater uma máquina de roupa entre um texto e outro e, ainda, ter um astronauta acampando embaixo da mesa.

IMG_0922

Eu sei que vou morrer de saudades dessa fase da pessoa pequena, mas tem dias que dá vontade de acelerar pro mês de setembro, quando ele finalmente começa a escola em período normal – kindegarden – por aqui. Como não temos pré-escola, ou a criança vai para um day-care (creche) ou fica com um dos pais. As escolinhas são muito limitadas em relação ao tempo – normalmente oferecem período de 2 horas e meia, três vezes por semana.

Eu e meu Parça in crime optamos por stay-home parent (que traduz para pai/mãe que fica em casa). Eu, no caso, sou o que stay-home (na minha família dá pra falar que sou um mix de stay home e stay in the car porque a gente mora na floresta e nada fica perto de casa). Sarcasmo a parte, eu sinceramente não troco essa vida. Mas também não escondo que um período mais longo de me time será excelente para o rendimento do home-office.

Até 😉

2

… e ele caiu no gelo

Meu filho é dessas crianças movidas a um desafio pessoal. Ele não se conforma em não saber algo que outra criança parecida com ele faz (eu grifei “parecida” porque quero esclarecer: estou me referindo à aparência física: mesma altura, cor de cabelo, olhos.. não, necessariamente, idade). Foi assim que ele começou andar, falar, e foi assim que ele começou falar português (só comigo que não).

Ano passado o levamos, pela primeira vez, pra patinar no gelo – ice skating. Ele   adorou. Mas patinar mesmo… não rolou. Especialmente porque, por aqui, as arenas de patinação – rinks – oferecem uma espécie de andador para as crianças se apoiarem, com isso, minha pequena pessoa só quis se pendurar no negócio sem tentar equilibrar. Acontece que esse inverno … a arena onde costumávamos ir, e podíamos alugar os patins, entrou em reforma e não abrirá. As outras arenas das região estão abertas em horários limitados para o público, mas não oferecem aluguel de patins. Com isso, só as pessoas que têm o costume de patinar e, por isso, investem em um par de patins, é que as frequentam.

Let’s just say: atualizamos os equipamentos esportivos da casa.

children-ice-skating-md.pngEnfim… hoje foi a segunda vez que o levei pra patinar. E antes de mais nada, deixa eu explicar uma coisa: os patins do meu filho têm duas lâminas, porque penso que ele precisa sentir-se confortável no gelo primeiro antes de sair fazendo manobras e pulos. Pudemos – nós, os pais – notar a diferença na “patinação” dele, já na primeira vez.

Hoje, bom hoje, como eu disse, foi a segunda vez que o levei pra patinar… Hoje voltei pra casa pensando que logo terei de investir na atualização dos equipamentos esportivos novamente, com um minúsculo patins de uma lâmina. Tudo por conta de um menininho de 6 anos, chamado Jaiden, que patina linda e loucamente, e hipnotizou meu menino de quatro.

Impressionante como crianças agem por exemplo. Até o momento em que aquele garotinho entrou no rink, meu filho estava na maior preguiça de tentar. Como a maioria das pessoas ali eram estranhas, ele optou por observar sempre apoiado no andador. Mas quando o Jaiden entrou no gelo – zum, zum, zum … juro que vi a “Formiga Atômica” (do desenho), correndo de lá pra cá, dançando entre os outros patinadores, um mini-hockey-player. Naquele momento, praticamente mágico, o feitiço se quebrou. Meu menino começou a andar na direção do Garoto, determinado em se tornar “his friend” e brincar com ele.

Foi assim, por outros 40 minutos. Mas daí, ele já estava andando, caindo, correndo de patins por uma arena de gelo lotada sem sequer lembrar daquelas m**** de andadores.

… você tem alguma história de seu/seus filhos parecida? Como lidam com os desafios e com os aprendizados da vida?

Até 🙂

0

Pequenos Passos no Corredor

Hoje acordei com passinhos no corredor. Melhor, devo chamar de passões – stump, stump -. Meu filho, de 4 anos, acordou, e, pela primeira vez, foi ao banheiro sem seu tradicional “Mommy… I need to go potty” (Mamãe, tenho que ir ao banheiro). Da minha cama pude fiscalizar a ação – um pouco pelo reflexo do corredor no espelho do quarto e outro pouco por audição mesmo (ahhh… dos super poderes que ganhamos com a maternidade, super audição é um dos meus preferidos). Ele baixou a tampa do vaso, sentou sozinho, fez xixi, deu descarga (óóóó...) e subiu a calça SOZINHO!!!!

Você lendo isso pode estar pensando: “_sério!!! E daí? Aos quatro anos meu filho já até fritadava um ovo e você celebrando o fato do seu ter ido ao banheiro sozinho” … Bom, sim estou. Porque embora ele vá ao banheiro sozinho há mais de um ano, ele ainda tem o costume de me avisar e de pedir ajuda pra subir a calça todas as vezes. Mas não é o fato de ele ter tomado a inciativa que me alegrou. A “ida” independente desta manhã me ajudou entender que meu pequeno passou mais uma fase na vida dele, e isso explica muita coisa, especialmente as brigas que temos travado ao longo s últimas semanas.

Sério… gente.. quem merece personalidade de criança de 4 anos. O meu, da noite pro dia, entrou numas de: quero ficar sozinho, não estou falando com você, quero meu pai, sai, quero meu pai, não gosto dessa comida, quero meu pai, e, pra completar, também passou a fazer caretas, aprendeu bufar, e tentou (já umas duas vezes) me colocar pra pensar no canto. Ouuu.. e não é fácil! Concorda?! Se por um lado tem esse menino crescendo (saudavelmente) por outro tem uma mulher que há quatro anos está aprendendo ser mãe, e tem hora que essa mulher quer é sair correndo.

Então, nessa manhã, quando ele acordou, não me chamou, fez seu xixi, cuidou de todos os pormenores que seguem o ato, e se instalou confortavelmente na frente da televisão da sala… meu coração se aquietou e eu suspirei… meu pequeno menino, agora é um menino. A rebeldia passou a fazer um certo sentido. E por mais que eu, no meu papel de mãe, queira estar por perto, proteger e ajudar, entendo que as fases mudam e que agora é hora do passarinho tentar novos voôs. De qualquer forma… “MOMMY”… eu ainda tive que levantar da cama quentinha e ir até a sala. Afinal de contas, ele ainda não guardou qual o botão que liga a TV.

😉 Até!