0

Home office

As vezes tudo que eu queria é que minha fantasia de um “home office” se transformasse em realidade. Porque a realidade é assim: bater uma máquina de roupa entre um texto e outro e, ainda, ter um astronauta acampando embaixo da mesa.

IMG_0922

Eu sei que vou morrer de saudades dessa fase da pessoa pequena, mas tem dias que dá vontade de acelerar pro mês de setembro, quando ele finalmente começa a escola em período normal – kindegarden – por aqui. Como não temos pré-escola, ou a criança vai para um day-care (creche) ou fica com um dos pais. As escolinhas são muito limitadas em relação ao tempo – normalmente oferecem período de 2 horas e meia, três vezes por semana.

Eu e meu Parça in crime optamos por stay-home parent (que traduz para pai/mãe que fica em casa). Eu, no caso, sou o que stay-home (na minha família dá pra falar que sou um mix de stay home e stay in the car porque a gente mora na floresta e nada fica perto de casa). Sarcasmo a parte, eu sinceramente não troco essa vida. Mas também não escondo que um período mais longo de me time será excelente para o rendimento do home-office.

Até 😉

0

O dia que meu filho nasceu

Era uma quarta-feira de cinzas, há cinco anos. Já era noite quando fomos pro hospital, tinha acabado de sair do banho e senti que estava “vazando”. Era hora. Mais cedo, naquela mesma semana, passei uma noite no hospital por conta do “vazamento” de liquido amniótico. Parecia que estava chegando a hora e era só esperar pelas contrações que não vieram. O médico me mandou pra casa. “Em casa você vai andar e fazer atividades que estimularão o bebê”, ele disse.

Mas, naquela quarta-feira foi diferente. O dia tinha chegado. Demos entrada no hospital às 20h20. Nada de contração. Fomos para o quarto de parto (delivery room). Me vesti e fui aparamentada com os devidos monitores. Um pro coração do bebê, um pro meu. Meu marido e uma enfermeira estavam presentes. A família foi avisada. Então veio a primeira pontada. Aiiii… “ok, acho que estou tendo contrações”.

O Obstetra chegou. Checou os monitores, falou com a enfermeira, falou com meu marido. Ele tinha uma expressão preocupada. Saiu do quarto, porque ainda iria demorar. De repente, água, a bolsa estourou.  Minha pressão estava subindo descontroladamente. Algo chamado pré-eclampsia. Durante toda a gravidez tudo correu bem, pressão normal, peso normal, mas foi no dia do nascimento que algo fora do comum aconteceu.

O médico voltou. Me medicou. Confesso que eu não me lembro muito bem desses momentos. Estava numa nuvem de dor, misturada com calor e frio, medo, apreensão… tudo ao mesmo tempo. Queria meu marido perto. Dai queria ele longe. E as contrações vindo .. Aiii  … Então chegaram minha sogra e minha sobrinha, que vieram ficar conosco no quarto, e minha cunhada, que ficou do lado de fora porque o limite de gente pra assistir o parto era três pessoas. Todo mundo no quarto: eu, o pai, a enfermeira, a avó, e a prima. Uma festa…  enquanto o médico passeava pelos corredores.

Por conta da pressão alterada, já estavam cogitando minha transferência para o centro cirúrgico, mas a pressão foi controlada a tempo e a anestesista pode vir. Tomei uma anestesia Epidural, que bloqueia a dor das contrapões, mas deixa que a gente sinta o que esta acontecendo (em alguns casos pode acontecer um “espaço fantasma”, e claro eu tive um na virilha, então sabia exatamente quando as contrações estavam vindo).

Já estava com a dilatação correta para começar “fazer força”, mas nada do médico voltar pra sala. “Esse doutor costuma sumir sem avisar. As vezes, nós é que terminamos os partos”, disse a enfermeira… Oi? Felizmente, ele estava só checando outros quartos.

199369_194912723874256_5152333_n

um pouco depois de segurá-lo pela primeira vez.

Então, o médico se paramentou, se colocou a postos pra pegar o menininho que vinha. Minha sobrinha acariciando meu cabelo. Meu marido segurando uma perna, minha sogra a outra, o médico na posição de goleiro, e a enfermeira monitorando os aparelhos. Isso! Essas eram as pessoas no quarto, no parto. Essas foram as pessoas que testemunharam o dia que meu filho nasceu, 10 de março, 1h20 da manhã.

Ele saiu da barriga e foi colocado no meu peito, amassado e melecado. Meu marido estava anestesiado, não quis cortar o cordão. Então a vovô cortou. Choramos, rimos. Por um momento, esqueci meu inglês. Eu tinha que dar as boas vindas na minha lingua mãe. Depois de algum tempo ele foi levado pra ser limpo, pesado, medido, e todos os outros procedimentos para os recém-nascidos. E, enquanto o médico cuidava de consertar a porta de saída do bebe, eu estava no telefone, ligando em plena madrugada para meus irmãos e meus pais. Eu ainda comi uns nuggets do McDonalds logo depois, porque estava morrendo de fome e essa era a única opção de comida aberta naquela hora da noite (não.. não tinha comida do hospital).

O médico que estava lá não era o mesmo que acompanhou minha gestação, porque meu médico estava viajando de férias. Meu filho nasceu dezesseis dias antes do previsto, pesando 6.10 libras (equivalente a aproximadamente 2.8 quilos) e 21 inches (equivalente a  aproximadamente 53 cm). Para os americanos essas medidas são super pequenas. Não tinha pediatra na sala. Os testes foram realizados no berçário, pra onde ele foi levado por um tempo enquanto éramos transferidos da sala de parto para um quarto na maternidade. Depois disso, ele não saiu mais de perto da gente (bom, na verdade teve um tempinho que ele voltou pro berçário pra um procedimento, mas vou contar em outro post).

Eu planejei amamentar meu filho. Mas meu leite secou após um mês e meio do nascimento dele e, na época, eu não pensei em chamar uma consultora pra me dar uma ajuda. Nós planejamos não dar chupeta. Mas na quarta noite sem dormir resolvemos dar uma chance pra chupeta e adivinhem… dormimos melhor (porque dormir de verdade é algo que não existe na vida de pais de recém nascido)

No dia que meu filho nasceu aprendi não planejar muito o que não diz respeito apenas ao meu indivíduo. Eu entendi o quanto somos fortes e o quanto podemos tolerar a dor. No dia que meu filho nasceu eu nasci mãe.

Acho importante dizer aqui – pra quem se interessa pelo que penso – que em nenhum momento da minha gestação disse que preferia parto normal ou parto cesárea. Seria a preferência do meu bebê. O que fosse mais conveniente pra ele. 

Aqui nos EUA o padrão é parto normal – a mãe pode escolher se quer ou não anestesia (eu quis) – mas nada de ter cesárea marcada. Eu sabia que seria assim, a não ser que o meu filho estivesse fora da posição ou houvesse alguma complicação, só assim as gestantes são encaminhadas pra uma c-section

Pessoalmente, penso que  essa rincha entre parto normal vs. cesárea uma chatice. Não dou razão nem pra um nem pra outro. Não acho que os radicais pró parto natural estejam certos, e também não concordo com os médicos que forçam ou que tentam convencer a gestante sobre marcar uma cesárea. Também não sou expert nesse assunto, além do fato de ter gerado, gestado e parido uma criança. O fato é que quando chega a hora da criança nascer, ela vai nascer e pronto. De algum jeito ela precisa sair da barriga da mãe. Então que seja da melhor forma para o BEBE. 

E convenhamos né gente. Gerar uma criança não é como caminhar pela praia num dia fresco de verão. Muita coisa muda. Nossos hormônios ficam malucos. Isso e mais toda a expectativa, ansiedade, ajustes na vida, afff… é muita coisa envolvida pra ficarmos numa guerrinha estúpida sobre quem tem as melhores políticas maternais. E incluo ai a batalha amamentação vs. mamadeira, chupeta vs. não chupeta, fralda descartável vs. fralda de tecido, etcs.  

Só a título de curiosidade: recentemente uma amiga (logo contarei a história aqui no blog) deu a luz dentro do carro, a caminho do hospital. Seu filho não quis esperar. Outra quis muito um parto normal, mas não pode, seu filho estava atravessado. Outra passou 26 horas com dores e contrações esperando a dilatação suficiente e, no final, após ter dado a luz, teve de lidar com uma imensa perda de sangue e agora, duas filhas depois, sofre de anemia. Todas elas são excelentes mães, cuidam de seus filhos com amor e dedicação, da forma como melhor funciona em suas famílias. E isso é o que realmente importa! 

Pra me despedir desse post, que é muito especial pra mim por vários motivos (entre eles o fato de que me julgo muito quando começo falar sobre maternidade) vou deixar um vídeo lindo que encontrei no YouTube. É de uma campanha da #Similac, que é uma companhia de fórmula (leita em pó). Independente disso, o vídeo é honesto, legítimo, e toca o coração. #endmommywars

E você, quer compartilhar sua história também? Deixe seu comentário abaixo.

Até 😉

0

Brinquedo novo em casa

Oi! Você já ouviu falar dos Stikbots? São uns bonequinhos articulados, de plástico, que propõem a interação da brincadeira com as smart coisas que carregamos (tipo seu celular ou um tablet) via um aplicativo. Mas, cá entre nós, dá pra fazer com camera e um editor de imagens no seu computador. A idéia é deixar a imaginação rolar e criar filminhos em stop motion (stop motion é uma técnica de animação com recursos da máquina de filmar, de uma máquina fotográfica ou do computador. Os modelos são movimentados e fotografados quadro a quadro. Esses quadros são posteriormente montados em uma película cinematográfica, criando a impressão de movimento. Nessa fase, podem ser acrescentados efeitos sonoros, como fala ou música).

Semana passada, a criança aqui de casa ganhou dois desses bonequinhos da avó e do avô. Quando ele chegou em casa, queria brincar de fazer um filme. Oi? … A pessoa está para completar 5 anos – CINCO – e quer fazer um filme.

Daí que aqui a gente gosta de dar asas pra imaginação (embora eu cometa o pecado de me preocupar com as paredes). Montamos um cantinho com material que eu deixo em casa para projetos. E assim, a criança e os adultos começaram explorar.

A experiência também é da mamãe aqui, então vamô pega leve com as falhas de edição ok entendidos?  Tentando deixar a brincadeira o mais pura possível (e não tem jabá do Stikbots nesse post)

Eu fico só pensando como será o futuro com essas crianças no comando. Você já pensou que o cérebro deles está se desenvolvendo de uma forma que ainda não compreendemos? – comentários bem vindos.

Até 😉

 

 

0

Quer uma dica?

Para as brasileiras e brasileiros espalhados por esse mundo, Amélias e Amélios, Candinhas e Candinhos, Mamães e Papais… enfim, para você que esta balanceando a vida profissional com a rotina doméstica: vale super a pena conhecer o trabalho da jornalista Cris Prezotto, do blog Dicas da Candinha.

A Cris começou em telejornalismo lá em Ribeirão Preto, depois passou pelas emissoras da região de Campinas e agora vai conquistar brasileiros espalhados pelo mundo com “dicas e truques de limpeza, organização e cozinha”. Palavra de eSTRANGERa sempre-alerta03 😉

A Cris é um respiro no dia. Super alto-astral, ela transforma essas nossas tarefinhas domésticas (como a hora de arrumar as crianças pra escola, preparar lanche, dar um tapa na casa, pensar a refeição) em algo mais prazeroso e fácil. Mas o segredo não está nas dicas que a Cris dá (porque uma hora ou outra você vai esbarrar em algo que a sua mãe já te falou). O segredo das dicas é exatamente a Candinha e a forma como ela nos transmite esses conhecimentos tão populares.

Cris

Olha a Cris aí, no programa com a dica sobre Limpeza de Microondas.

Da pra checar dica na pausa pro café, enquanto espera filho sair da escola, na fila do caixa do supermercado, na sala de espera de médico, enquanto está fazendo a unha (aqui no estrangero não dá pra ficar amiga da manicure, porque as chances de ela não falar seu primeiro e nem o seu segundo idioma são grandes, então a gente não fica muito de papo. By the way, eu tento), enfim onde você quiser. #melhornaocontinuar

Olha só, por que você não dá uma conferida no que estou falando? Acesse os links abaixo e escolha o seu jeito preferido de seguir a Cris… opss.. a Candinha:

E se quiser me agradecer por essa dica é só seguir o eSTRANGERa também. Prometo que trago mais dicas legais. Até 😉

2

… e ele caiu no gelo

Meu filho é dessas crianças movidas a um desafio pessoal. Ele não se conforma em não saber algo que outra criança parecida com ele faz (eu grifei “parecida” porque quero esclarecer: estou me referindo à aparência física: mesma altura, cor de cabelo, olhos.. não, necessariamente, idade). Foi assim que ele começou andar, falar, e foi assim que ele começou falar português (só comigo que não).

Ano passado o levamos, pela primeira vez, pra patinar no gelo – ice skating. Ele   adorou. Mas patinar mesmo… não rolou. Especialmente porque, por aqui, as arenas de patinação – rinks – oferecem uma espécie de andador para as crianças se apoiarem, com isso, minha pequena pessoa só quis se pendurar no negócio sem tentar equilibrar. Acontece que esse inverno … a arena onde costumávamos ir, e podíamos alugar os patins, entrou em reforma e não abrirá. As outras arenas das região estão abertas em horários limitados para o público, mas não oferecem aluguel de patins. Com isso, só as pessoas que têm o costume de patinar e, por isso, investem em um par de patins, é que as frequentam.

Let’s just say: atualizamos os equipamentos esportivos da casa.

children-ice-skating-md.pngEnfim… hoje foi a segunda vez que o levei pra patinar. E antes de mais nada, deixa eu explicar uma coisa: os patins do meu filho têm duas lâminas, porque penso que ele precisa sentir-se confortável no gelo primeiro antes de sair fazendo manobras e pulos. Pudemos – nós, os pais – notar a diferença na “patinação” dele, já na primeira vez.

Hoje, bom hoje, como eu disse, foi a segunda vez que o levei pra patinar… Hoje voltei pra casa pensando que logo terei de investir na atualização dos equipamentos esportivos novamente, com um minúsculo patins de uma lâmina. Tudo por conta de um menininho de 6 anos, chamado Jaiden, que patina linda e loucamente, e hipnotizou meu menino de quatro.

Impressionante como crianças agem por exemplo. Até o momento em que aquele garotinho entrou no rink, meu filho estava na maior preguiça de tentar. Como a maioria das pessoas ali eram estranhas, ele optou por observar sempre apoiado no andador. Mas quando o Jaiden entrou no gelo – zum, zum, zum … juro que vi a “Formiga Atômica” (do desenho), correndo de lá pra cá, dançando entre os outros patinadores, um mini-hockey-player. Naquele momento, praticamente mágico, o feitiço se quebrou. Meu menino começou a andar na direção do Garoto, determinado em se tornar “his friend” e brincar com ele.

Foi assim, por outros 40 minutos. Mas daí, ele já estava andando, caindo, correndo de patins por uma arena de gelo lotada sem sequer lembrar daquelas m**** de andadores.

… você tem alguma história de seu/seus filhos parecida? Como lidam com os desafios e com os aprendizados da vida?

Até 🙂