Vídeo
0

Final de semana na cidade

Esse post tá atrasado, mas vamos lá:

Recentemente estive em Toronto pra visitar a Bia e sugar um pouco de vida cosmopolita. Acontece de tempos em tempos. Preciso sair do mato, do papel de mãe, e enfrentar um pouco do caos e da diversidade de uma metrópole. Minha localização geográfica (privilegiada) me coloca bem na divisa entre os EUA e o Canadá, e visitar cidades como Ottawa ou Toronto é mais fácil que enfrentar sete horas de carro pra chegar em Nova York. Sem contar que a viagem é mais bacana.

Claro que nenhuma destas cidades tem o fervo novaiorquino. Mas pro que busco, são ideais. Especialmente Toronto (que vou focar aqui). Acho a cidade um resumo de tudo bacana que tem no mundo. “Sinto que aqui nada é muito original. Porque tudo tem melhor em outro lugar”, comentou a Bia. E de acordo com a linha de pensamento dela o comentário foi pertinente. Não visite Toronto se o que você procura são museus, parques, shopping centers, espetáculos, ou, resumindo, o básico do turista padrão. A cidade oferece sim todas essas opções de entretenimento e com qualidade (você verá nas fotos que fui ao museu), mas é preciso que se entenda que o prêmio de originalidade não está lá.

O grande lance de Toronto esta na DIVERSIDADE (assim mesmo: em caixa alta). A riqueza desta cidade é a mistura de povos, opiniões, religiões, orientação sexual, o grande apanhado cultural que se nota em todos os cantos. Tudo e todos vivendo em harmônia. Podem dizer que NY IMG_1791é a capital do mundo, mas eu, humildemente, discordo. Dou o título para Toronto.

A impressão que tenho – andando pelas ruas, visitando pequenos restaurantes, padarias, no metro, no ônibus, nas lojinhas, sentada no banco da praça – é que as pessoas (imigrantes e locais) estão lá por escolha, e, exatamente por isso, são cientes dessa  mistura cultural e  estão dispostas a viver em um ambiente de RESPEITO (não sinto isso em outras capitais “do mundo”).

Nessa última visita tive a chance de dançar um pouco de forró (ponto para o Luis, estudante de engenheira no Brasil e parte da última leva de universitários que puderam ter uma experiência no estrangeiro pelo programa Ciências sem Fronteiras. O Luis faz uns trocados extra dando aulas de dança), comer um cachorro quente gourmet, visitar uma loja para motociclistas, ficar na fila de uma sorveteria (imagina um sorvete tão bom que o povo fica na fila pra poder comprar), e ainda fui ao museu ver uma exposição sobre tatuagem (que, por sinal, era fraca). Em outras visitas eu já vi o Ziggy Marley, fui comprar Guaraná, carne seca e farofa, e pedalei a cidade inteira. E ainda, visitei amigas e minha prima, todos que viveram por lá pra estudar por um tempo.

Continuar lendo

0

Mãe que trabalha

Antes de começar, deixa eu dizer uma coisa: toda e qualquer mãe TRABALHA. Algumas trabalham fora de casa, outras trabalham em casa, algumas tem um retorno financeiro por seu trabalho profissional, outras nem tanto. Tem, ainda, uma certa porcentagem de mães que costumam dizer que “não trabalham”. Mas a verdade é: se é mãe, trabalha.

A gente pode nem se dar conta, porque a história nos fez acreditar que cuidar de filho é obrigação (embora, sejamos francos, se você resolveu ter um filho tem sim a missão de cuidar dele, mas a obrigação é tanto da mãe quanto do pai. Igual). E, ainda, temos a casa, a cozinha, as roupas, o supermercado, o que fazer para o jantar, a agenda da família, leva e busca aqui e ali… aff.. só de pensar já dá canseira.

Enfim, fiz esse preambulo todo pra me ajudar a trocar uma idéia com você e, de certa forma, expor um pouco minha angústia sobre ser uma mãe que optou em parar o trabalho (com retorno financeiro) e se dedicar às necessidades da família, temporariamente. Tudo com o apoio, incondicional, do meu marido (quando mudei de país, sabíamos que por um tempo teria de ficar sem trabalhar até que minha documentação estivesse regularizada, e depois quando engravidei decidimos que era mais vantajoso financeiramente que um de nós ficasse em casa. Eu fui a escolhida, uma vez que o mercado farmacêutico paga melhor que o de comunicação).

E daí? (você deve estar pensando)

Daí que recentemente eu voltei ao mercado de trabalho, escrevendo e fazendo pequenos freelas* diretamente do meu home office (…phina). Mas, ao mesmo tempo que estou borbulhando de idéias e de vontade de colocar tudo em pratica, também me deparo com uma dura realidade: é difícil trabalhar de casa.

Eu sei que tem gente que tira isso de letra, e acredito que eu serei uma dessas pessoas. Mas ainda não. Não enquanto tenho uma criança em casa em período integral. Enquanto preciso alimentar e cuidar, ensinar como escovar o dente, como limpar o bumbum, ajudar na lição da escolhinha, e brincar.

Por mais que entenda e aceite essa fase (essa foi minha escolha), é muito difícil admitir que ainda não tenho o tempo necessário pra me dedicar aos projetos profissionais. Me pego sonhando com o dia em que meu pequeno irá pra escola em período integral e eu terei horas de atividades sem interrupção. Não posso dizer que sinto vontade de ir pro escritório (essa vontade eu perdi há alguns anos), mas tenho uma invejinha branca de quem consegue deixar os afazeres domésticos e maternais para cuidar da carreira.

Por favor, se você é uma dessa pessoas, não entenda o que estou dizendo como critica. Adoraria poder conciliar tudo. Poder ter condição de balancear minha família e minha carreira. Mas tenho percebido que essa não sou eu. Não sei balancear. Ou sou uma ou sou outra. Se estou maternando, não consigo focar no profissional. E, o que é pior, se estou no profissional, não consigo maternar. É como se entrasse em mundos diferentes.

e Você aí, mais uma vez se perguntando: mas e daí?

Daí que nessas minhas explorações “internéticas”, nunca vejo alguém que fale sobre esse assunto abertamente. Alguém que – por livre e espontânea vontade – deixou seu “eu profissional” de lado, sem querer abrir mão dele por completo. Alguém que tenta um home office enquanto as crianças brincam na sala de estar, mas que percebeu que não adianta o desenho mais legal, o brinquedo mais moderno, ou a gangue toda reunida… os afazeres, a casa, os filhos, o cachorro, o marido, etc precisarão de você em algum momento.

Nunca leio sobre alguém que é feliz com suas escolhas, mas que vez ou outra tem uma pontinha de tristeza por não conseguir colocar em prática as idéias que pipocam na sua cabeça, ou mesmo terminar o capítulo de um livro (detesto parar capítulo no meio). Alguém que, assim como eu, ainda tem de fazer escolhas e se sente mal quando percebe que não tem três horas por dia pra se dedicar – ininterruptamente – a um projeto. Me questiono o tempo todo e acredito não estar sozinha.

Dou risada. Acho que as vezes de nervoso mesmo. Me perco em mim mesma. Olho pro computador com peso na consciência. As vezes, me irrito com os meninos. Depois tudo passa. Decido que não vou fazer mais, que falta tão pouco e posso esperar. Mas aí, alguém responde meu email, uma oportunidade nova surge, quero ouvir o clique do teclado…. e lá vou eu tentar mais um pouco. Assim vivo numa bola de neve.

E aqui eu me dispo. Tiro todo o “carão” e abro o jogo, a procura de alguém que passe pelas mesmas situações. E aí?

 

Até 😉

Gabi Hoover©

*Freela é o jeito simpático e popular de reduzir Free Lancer. Nada mais é que o profissional que trabalha por um pagamento fechado, sem vínculos empregatícios com seu contratante. 

0

Quer uma dica?

Para as brasileiras e brasileiros espalhados por esse mundo, Amélias e Amélios, Candinhas e Candinhos, Mamães e Papais… enfim, para você que esta balanceando a vida profissional com a rotina doméstica: vale super a pena conhecer o trabalho da jornalista Cris Prezotto, do blog Dicas da Candinha.

A Cris começou em telejornalismo lá em Ribeirão Preto, depois passou pelas emissoras da região de Campinas e agora vai conquistar brasileiros espalhados pelo mundo com “dicas e truques de limpeza, organização e cozinha”. Palavra de eSTRANGERa sempre-alerta03 😉

A Cris é um respiro no dia. Super alto-astral, ela transforma essas nossas tarefinhas domésticas (como a hora de arrumar as crianças pra escola, preparar lanche, dar um tapa na casa, pensar a refeição) em algo mais prazeroso e fácil. Mas o segredo não está nas dicas que a Cris dá (porque uma hora ou outra você vai esbarrar em algo que a sua mãe já te falou). O segredo das dicas é exatamente a Candinha e a forma como ela nos transmite esses conhecimentos tão populares.

Cris

Olha a Cris aí, no programa com a dica sobre Limpeza de Microondas.

Da pra checar dica na pausa pro café, enquanto espera filho sair da escola, na fila do caixa do supermercado, na sala de espera de médico, enquanto está fazendo a unha (aqui no estrangero não dá pra ficar amiga da manicure, porque as chances de ela não falar seu primeiro e nem o seu segundo idioma são grandes, então a gente não fica muito de papo. By the way, eu tento), enfim onde você quiser. #melhornaocontinuar

Olha só, por que você não dá uma conferida no que estou falando? Acesse os links abaixo e escolha o seu jeito preferido de seguir a Cris… opss.. a Candinha:

E se quiser me agradecer por essa dica é só seguir o eSTRANGERa também. Prometo que trago mais dicas legais. Até 😉

0

Planejar aniversário de …

… criança não é das tarefas mais empolgantes no meu livro. Não tenho muita paciência. Talvez porque desde que passei a desempenhar essa função, há quase 5 anos, já não estava no meu ambiente e, além de aprender o dia-a-dia de mãe, ainda precisava aprender a ser mãe da/na América do Norte (e acreditem, esse aprendizado vai longe).
Sim, pra ser mãe basta ter um filho… mas mães têm costumes que se desenvolvem a partir da sociedade que pertencem. Ou seja: costumes diretamente relacionados à cultura, tradições e ao ambiente em que vivem e/ou viveram. Pra resumir aqui estou, uma garota dos trópicos, criando meu filho em Nárnia, onde dos 12 meses do ano: 6 são gelados, 3 são frios, 1 é fresco, 1 é morno e 1 é quente.

Os costumes são diferentes, o clima é diferente, as refeições, o calendário escolar, etcs. A interação social é completamente diferente. Tem muita coisa que ainda não assimilei, como por exemplo levar meu “cooler” de bebidas sempre que for a uma festa, ou deixar uma cadeira portátil no porta-malas do carro pra ter um lugar pra sentar quando for a uma festa ao ar livre. Sim, eu sou “aquela mãe” que sempre esquece a marmita..

Nesse enredo entra o planejamento do aniversário. Até hoje meu filho não teve uma Piñata (pinhata), que é aquele bicho de papel que as crianças enchem de paulada pra quebrar e pegar os doces dentro (tipo aquela Bexiga enorme que penduramos no Brasil). Não teve Piñata ainda porque eu esqueço. Sei lá.. nunca fui muito fã daquelas bexigas, e no caso da IMG_0071americana o próprio nome “piñata” já demonstra que essa não é bem uma tradição daqui, eu simplesmente esqueço. Mas agora ele, o aniversariante, faz questão de me lembrar.

Nunca sei se devo convidar os pais dos amiguinhos ou não. Minha “brasileirísse” diz que sim, mas a vida na América não. Também gosto de fazer a mesa com brigadeiros e docinhos, bem brasileiros, afinal.. aniversário sem brigadeiro não é aniversário né, mas e aí pra explicar que os doces são pra D-E-P-O-I-S do parabéns e vão junto com o bolo. Resultado: mesa defasada pra famosa foto (aliás, a foto nós – eu e o pai – também esquecemos de “tirar”).

Ahhhh… e antes que me esqueça… deixa eu falar uma coisa: sabe o pedaço do bolo. Então, aqui os pedaços são tipo XL (extra large). Praticamente um pedaço alimenta uma família de quatro pessoas. Daí vou eu, toda trabalhada no “vamôs dividir”, cortar pedaços brasileiros. Sempre recebo uma olhadinha da sogritcha nessa hora. Aquela olhada com a sobrancelha levantada: _ “Põe um pedaço maior pro Sogro”. Fazer o quê?!

E a hora dos presentes… todos numa caixa e como manda a tradição destas bandas a criança senta numa cadeira, cercada pelos amiguinhos, e perde tempo precioso de sua festa, quando poderia estar brincando, abrindo pacotes e exibindo cada um de seus novos brinquedos. Enquanto isso, um dos pais anota um por um dos presentes e seus respectivos remetentes, para depois enviar notas de “Thank You” aos convidados. Essa situação, especialmente em aniversário de criança pequena, sempre acaba com alguém chorando. Sem contar o quanto é estranho ver seu filho ali, sentado num momento “REI”, rodeado de “súditos” babando pra usar um dos novos brinquedos. Affff.. por mim, levaria tudo pra casa e abriria lá.

O cardápio da festinha, no entanto, é fácil. Pra agradar gregos e troianos: cachorro quente – que é feito de salsicha e pão – e/ou pizza. Se quiser ser mais ousada/o pode encomendar subs ou fazer um chilli. Se o aniversário for no verão da pra fazer um churrasco – de hambúrguer. E, ainda, podemos optar por um “veggie platter”.. yummy … pedaços de pimentão, brócolis, cenoura, salsão – tudo cru – com um molho ranch pra disfarçar o sabor desse “delicioso” prato infantil.

São diferenças sutis como estas que não levamos em consideração quando decidimos mudar de país. O dia-a-dia estrangeiro traz muito mais diferenças culturais que aquelas que notamos quando fazemos turismo. O truque está mesmo em assimilar essas sutilezas, crescer com o novo, entendendo principalmente que nós somos os gringos.

E aí, mesmo com a paciência no espaço, a gente organiza a festa feliz. Porque celebrar mais um ano na vida desses pequenos, que são “estrangerinhos” é mais legal que celebrar o nosso aniversário. Embora sejamos estranhos, é essa outra terra a pátria mãe dos nossos filhos. 

Agora me conta, você “Estrangera” ou “Estrangero” do outro lado, tem alguma gafe de costumes pra dividir comigo?

Até! 😉