0

17 Signs You’re What’s Known As A ‘Highly Sensitive Person’ — Thought Catalog

Sanja MarušićIn 1997 a surprise best-seller consumed the book market. It was a reference guide for a specific kind of person, The Highly Sensitive Person. A “highly sensitive person” or HSP is characterized by being more emotionally intelligent than most — feeling things more deeply and being more sensitive to the energy of others. About…

via 17 Signs You’re What’s Known As A ‘Highly Sensitive Person’ — Thought Catalog

0

Mãe que trabalha

Antes de começar, deixa eu dizer uma coisa: toda e qualquer mãe TRABALHA. Algumas trabalham fora de casa, outras trabalham em casa, algumas tem um retorno financeiro por seu trabalho profissional, outras nem tanto. Tem, ainda, uma certa porcentagem de mães que costumam dizer que “não trabalham”. Mas a verdade é: se é mãe, trabalha.

A gente pode nem se dar conta, porque a história nos fez acreditar que cuidar de filho é obrigação (embora, sejamos francos, se você resolveu ter um filho tem sim a missão de cuidar dele, mas a obrigação é tanto da mãe quanto do pai. Igual). E, ainda, temos a casa, a cozinha, as roupas, o supermercado, o que fazer para o jantar, a agenda da família, leva e busca aqui e ali… aff.. só de pensar já dá canseira.

Enfim, fiz esse preambulo todo pra me ajudar a trocar uma idéia com você e, de certa forma, expor um pouco minha angústia sobre ser uma mãe que optou em parar o trabalho (com retorno financeiro) e se dedicar às necessidades da família, temporariamente. Tudo com o apoio, incondicional, do meu marido (quando mudei de país, sabíamos que por um tempo teria de ficar sem trabalhar até que minha documentação estivesse regularizada, e depois quando engravidei decidimos que era mais vantajoso financeiramente que um de nós ficasse em casa. Eu fui a escolhida, uma vez que o mercado farmacêutico paga melhor que o de comunicação).

E daí? (você deve estar pensando)

Daí que recentemente eu voltei ao mercado de trabalho, escrevendo e fazendo pequenos freelas* diretamente do meu home office (…phina). Mas, ao mesmo tempo que estou borbulhando de idéias e de vontade de colocar tudo em pratica, também me deparo com uma dura realidade: é difícil trabalhar de casa.

Eu sei que tem gente que tira isso de letra, e acredito que eu serei uma dessas pessoas. Mas ainda não. Não enquanto tenho uma criança em casa em período integral. Enquanto preciso alimentar e cuidar, ensinar como escovar o dente, como limpar o bumbum, ajudar na lição da escolhinha, e brincar.

Por mais que entenda e aceite essa fase (essa foi minha escolha), é muito difícil admitir que ainda não tenho o tempo necessário pra me dedicar aos projetos profissionais. Me pego sonhando com o dia em que meu pequeno irá pra escola em período integral e eu terei horas de atividades sem interrupção. Não posso dizer que sinto vontade de ir pro escritório (essa vontade eu perdi há alguns anos), mas tenho uma invejinha branca de quem consegue deixar os afazeres domésticos e maternais para cuidar da carreira.

Por favor, se você é uma dessa pessoas, não entenda o que estou dizendo como critica. Adoraria poder conciliar tudo. Poder ter condição de balancear minha família e minha carreira. Mas tenho percebido que essa não sou eu. Não sei balancear. Ou sou uma ou sou outra. Se estou maternando, não consigo focar no profissional. E, o que é pior, se estou no profissional, não consigo maternar. É como se entrasse em mundos diferentes.

e Você aí, mais uma vez se perguntando: mas e daí?

Daí que nessas minhas explorações “internéticas”, nunca vejo alguém que fale sobre esse assunto abertamente. Alguém que – por livre e espontânea vontade – deixou seu “eu profissional” de lado, sem querer abrir mão dele por completo. Alguém que tenta um home office enquanto as crianças brincam na sala de estar, mas que percebeu que não adianta o desenho mais legal, o brinquedo mais moderno, ou a gangue toda reunida… os afazeres, a casa, os filhos, o cachorro, o marido, etc precisarão de você em algum momento.

Nunca leio sobre alguém que é feliz com suas escolhas, mas que vez ou outra tem uma pontinha de tristeza por não conseguir colocar em prática as idéias que pipocam na sua cabeça, ou mesmo terminar o capítulo de um livro (detesto parar capítulo no meio). Alguém que, assim como eu, ainda tem de fazer escolhas e se sente mal quando percebe que não tem três horas por dia pra se dedicar – ininterruptamente – a um projeto. Me questiono o tempo todo e acredito não estar sozinha.

Dou risada. Acho que as vezes de nervoso mesmo. Me perco em mim mesma. Olho pro computador com peso na consciência. As vezes, me irrito com os meninos. Depois tudo passa. Decido que não vou fazer mais, que falta tão pouco e posso esperar. Mas aí, alguém responde meu email, uma oportunidade nova surge, quero ouvir o clique do teclado…. e lá vou eu tentar mais um pouco. Assim vivo numa bola de neve.

E aqui eu me dispo. Tiro todo o “carão” e abro o jogo, a procura de alguém que passe pelas mesmas situações. E aí?

 

Até 😉

Gabi Hoover©

*Freela é o jeito simpático e popular de reduzir Free Lancer. Nada mais é que o profissional que trabalha por um pagamento fechado, sem vínculos empregatícios com seu contratante. 

0

Sobre quando corpo fala

A sensação de ser mulher e interagir com uma máquina dessa (que além da mecânica, tem história e um imaginário coletivo carregado de simbolismo) Você me pergunta. A sensação está na sutileza do dedo que vai pra todas as pessoas que aceitam e reproduzem a ilusão de que “isso” não é coisa de mulher, porque é perigoso e porque não é ambiente apropriado … afff .. Deu né gente!!!

Dedo

“Isso” é perigoso SIM. Mas também é libertador, empoderador, incrível. … O perigo existe tanto para as mulheres quanto para os homens, ou para as meninas e para os meninos.

O que vale a pena então?

“Isso” vai para as minhas meninas: as pequenas, para que saibam que elas podem fazer o que quiserem na vida delas, porque diferença física não é diferença de capacidade; e para as grandes, porque temos a grande responsabilidade de mudar o mundo por meio da educação e dos valores que passamos aos nossos filhos e filhas.

and by the way:  my man is awesome!

Até 😉

0

The beauty of Bella’s

This beauty right here (the photo)

Image 4-29-16 at 9.29 PM

Lobster bisque, croutons, pasta salada (one of the side options), apple juice, and tuna salad on white bread (they have other options of bread). Photo by: Gabi Hoover

is the reason why I’m back to my blog’s english corner (by the way, HELLO.. and thank you for taking the time to read it).

This is Bella’s Lobster Bisquê, a delicious cream, perfectly seasoned for a full flavor lunch experience. Ohh.. yeah.. I just used a lot of adjetives to describe a soup, but it has become one of my summer favorites.

Bella’s, a little bistro/bakery located in Clayton -NY, overlooking part of the St. Lawerence river in the  #1000Islands, has unique dishes, all created in it’s kitchen and using mostly local products. Last year, among other entrées, we were great fans of the Crabcake BLT (hoping it will be back in the menu). Their spinach salad is also tasty, and the pastries … yummmmm!!! 

Now, please understand: I am not a food critic. I am a food fan. And as a Brazilian, I love flavorful food that is not overpowered by spices. During summer, the #ThousandIslands region is booming with the local restaurants, bistros, coffee shops, and ice cream parlors. For the past three years, my husband and I go out on little motorcycle trips, exploring the area and trying it’s flavors. Bella’s has never disappointed us. Not only is the food delicious, but the service, the ambience, and attention of it’s staff is great. Ohh well… and to top it all off: THE BEAUTIFUL VIEW provided by the #StLawrenceRiver.

This week we visited Bella’s for the first time for 2016. It was a quick visit and we got to take our boy with us for the first time. The place is open and going with options for breakfast, a super cute children’s menu, and honest prices.

In case you need a good excuse to go for a drive… here is my little tip.

See you 😉

Citação
0

Já tem alguns dias que chegamos em casa, depois de três semanas no Brasa. Embora as malas estejam desfeitas, as roupas lavadas, a casa dentro do possível organizada, e a geladeira abastecida, ainda me sinto como se estivesse voltando de férias, como se ainda tivesse um vôo pra apanhar, e malas pra desempacotar.

Nesta minha vida eSTRANGERa, férias se tornaram sinônimo de final de semana na casa dos pais (sabe quando a gente, que já saiu da barra da saia, vai encontrar com a família e ter um longo almoço de domingo) e tudo que está incluso quando visitamos o “berço” onde crescemos e criamos nossos vínculos sociais. Férias pra mim é ir ao banco na Praça da Catedral, tomar uma com os amigos, cafezinhos com bolo, pizza, x-egg em um carrinho de lanche (estrangerizado na categoria gourmet para food truck), banana para os macacos no bosque em Águas da Prata, sorvete de Prestigio na sorveteria da Angelina, e passeio no trenzinho do Maurício aos domingos. Esquema roots!!!

Acontece que nestas últimas férias, essas das três semanas passadas, fui atingida diretamente no peito pelo acaso chamado: VIDA. Aquele lance, sobre o qual já escrevi, de querer planejar o dia, mas o dia não te planejar nele.

Em primeiro lugar, descobri que meu corpo – sempre reclamando do frio – não se deu conta do quanto se adaptou à vida no hemisfério norte. Que calor é esse??? Gente pelamor como é possível ser produtivo depois do almoço no Brasil??? Entendo que seguimos um calendário, que existem leis, que o pessoal descansa a noite.. blá blá blá.. mas pelo bem estar de uma nação é preciso repensar esses horários. Sei que parece loucura, mas acreditem, se feito corretamente a vida seria mais feliz e menos suada.

Mas vai, mesmo com tanto calor, ainda dá pra aproveitar. E esse era o plano. Mas, novamente, vida vem e traz surpresas. Os acasos. As coisas que não estavam no script: estomatite, ressaca, virose, diarréia. E lá se vão duas semanas tentando equilibrar os cuidados com a família com a ânsia de me reconectar com minhas raízes. Tudo isso em dois idiomas e suando.

Exhausting!!!

Engraçado é que independente do cansaço, da preocupação, e da sensação de que deixei muito pra trás, nenhuma obra do acaso tira meu contentamento e alegria pelos momentos que pude compartilhar com aqueles que amo. Férias tomaram outro sentido desde que virei eSTRANGERa. Quero conhecer, explorar, e estar em diferentes lugares, ao mesmo tempo em que preciso de uma noite com meus irmãos (os de verdade e os escolhidos) e do sorriso dos meus sobrinhos.

Não sei se é assim com todo mundo que mudou de território. No meu caso, nesta batalha de férias ainda ganham os momentos que me fizeram quem sou e que ensinarão meu filho entender mais sobre mim e suas raízes.

Até 😉

Se você tem algum comentário ou quer compartilhar o que pensa: